Publicado por: Rogério Tomaz Jr. | 05/12/2013

A indignação de Manuela D’Ávila diante do machismo de um deputado tucano

Na história da América Latina está registrada para a eternidade o nome de Manuela Sáenz, revolucionária equatoriana que lutou pela independência de várias nações, rejeitando o destino que sua família aristocrata lhe reservara.

No Brasil contemporâneo, uma das vozes mais ativas das lutas contra as opressões e violações de direitos humanos é a de uma jovem parlamentar, fã da equatoriana – que conheceu através da obra do uruguaio Eduardo Galeano – e igualmente vítima do machismo que todas as mulheres sofrem cotidianamente, mas que ainda é duplamente insidioso no caso daquelas que abraçam a militância política num país que está atrás.

Mesmo “acostumada” – no sentido de sofrer isso constantemente, inclusive de militantes petistas no Rio Grande do Sul, quando ela disputa algum cargo majoritário e se torna adversária do PT – com esse tipo de estupidez, Manuela D’Ávila jamais se cala diante do machismo que, entre outros objetivos, busca desqualificar a atuação das mulheres na política por conta de supostas “fraquezas” relacionadas aos seus sentimentos.

Elas seriam guiadas – segundo as vozes do machismo – não por convicções do pensamento, mas pelas “razões do coração”, como deixou escapar o deputad0 federal tucano Duarte Nogueira (SP), presidente do partido no seu estado e ex-líder da bancada na Câmara, num episódio que só merece o repúdio de qualquer pessoa com mais de dois neurônios ativos.

Confira o vídeo que registra o episódio, ocorrido justamente num dia em que a Câmara debateu durante horas, no plenário Ulysses Guimarães, a violência contra a mulher no Brasil e no mundo.

Abaixo o discurso na íntegra de Manuela na tribuna da Câmara em resposta à estúpida e machista insinuação de Duarte Nogueira.

PS: O episódio NÃO SERÁ NOTÍCIA NA GRANDE MÍDIA brasileira, que legitima e naturaliza TODOS OS DIAS o machismo e o racismo nas suas expressões mais sutis.

Manuela D'Ávila não se cala diante do machismo (Foto: Gustavo Lima/Agência Câmara)

Manuela D’Ávila não se cala diante do machismo (Foto: Gustavo Lima/Agência Câmara)

Manuela D’Ávila (PCdoB-RS), 04/12/2013 – Sr. Presidente Inocêncio Oliveira, Sras. e Srs. Deputados, hoje à tarde, por um período de praticamente 3 horas, este plenário recebeu uma Comissão Geral para debater a questão da violência contra as mulheres. A violência acontece fundamentalmente, como se diz na camiseta que várias mulheres e alguns homens usam no nosso plenário, pelo machismo. O machismo é construído culturalmente. É uma cultura que se instala no nosso País e em outros tantos a partir de diversas atitudes cotidianas que nós identificamos.

Hoje eu estava debatendo, como Líder que sou do meu partido, diga-se de passagem, a única Líder mulher da Câmara dos Deputados, uma Câmara com diversos partidos organizados e com baixíssima representação feminina, Líder de um partido que será presidido por uma mulher, o único partido que será presidido por uma mulher… Cito esses fatos não para nos autoproclamar, mas para identificarmos a cultura machista que persiste na política do nosso País, para que possamos ver como o fato que irei relatar não é um fato isolado, mas um fato que perpassa por toda a cultura do Congresso Nacional, para que a gente não valorize o fato isolado que vivi, mas identifique os fatos cotidianos da cultura política machista do nosso País.

Veja bem, Deputado Inocêncio Oliveira, estava na condição de Líder do meu partido debatendo o noticiário brasileiro, aquilo que sai em todos os jornais do nosso País há pelo menos 20 ou 30 dias, a corrupção e o cartel no Estado de São Paulo, aquilo a que todos os brasileiros têm assistido no Jornal Nacional, nos jornais de grande circulação. Há formação de cartel? A empresa Siemens, da Suíça, todos estão conspirando contra o PSDB ou há de fato corrupção, e corrupção pesada, no Estado de São Paulo? Questionava eu os Parlamentares tucanos na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, numa audiência com a presença do Ministro da Justiça, quando sou surpreendida, após 15 anos de militância e 10 anos de mandato parlamentar, por uma atitude extremamente machista do Presidente do PSDB de São Paulo, que, insinuando coisas que não são notícias requentadas ou não públicas da minha vida privada, diz que o coração tem razões que a própria razão desconhece, ou seja, tentando desqualificar acusações graves e políticas que fiz na condição de Líder de um partido político com a minha vida privada, atitude machista e leviana que não condiz com aqueles que tentam mudar a vida política e a cultura machista deste País.

Presidente Inocêncio, eu não falo aqui porque me sinto ofendida, aliás, me sinto ofendida como milhares de mulheres brasileiras que são ofendidas cotidianamente por essa cultura machista, falo porque não podemos tolerar mais que a Câmara dos Deputados, que o Congresso Nacional conviva com essa cultura de quem não sabe debater política, de quem não tem respostas para dar ao povo sobre o verdadeiro esquema de corrupção, porque o Estado de São Paulo tem que responder ao povo, e, por não ter respostas, vai pelo caminho fácil da violência do machismo contra as mulheres, da violência subjetiva, das falas entre linhas.

Ora, como eu disse na Comissão de Constituição e Justiça, a minha vida privada, embora não seja assunto público, não é promíscua como são promíscuas as relações que estão sendo investigadas no Estado de São Paulo.

A minha vida privada, como a minha vida pública, é honrada. Quem tem explicações para dar sobre a vida pública são os governantes do Estado de São Paulo. É disso que, como Líder do meu partido, cobro explicações, sim, de quem preside o partido tucano, o Deputado Duarte Nogueira, que, por não ter respostas para dar, vejam só, parte para a baixaria, baixaria com a minha vida privada, porque não sabe o que dizer sobre a situação do seu partido no Estado de São Paulo.


Responses

  1. Que monte de lixo esses tucanos fascistas! Levando uma surra de uma mulher que não tem medo de falar a verdade. Parabéns a ela e a todos os que levantam suas vozes contra esses ladrões.

  2. Ela só erra quando diz que o tema do propinoduto tucano é notícia nos jornalões e no Jornal Nacional. O restante do discurso é perfeito. Disse tudo o que esse canalha precisava ouvir.

  3. Tão raro ver uma voz feminina no congresso! Mandou mt bem deputada Manuela!

  4. Ops, ouvir!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: