Publicado por: Rogério Tomaz Jr. | 02/03/2013

O jornalismo covarde do submundo de Brasília

Na época da última ditadura civil-militar, tornou-se comum a figura do “jornalista porta de cadeia”.

Assim como advogados do mesmo gênero, que exploravam a condição desumanizada a que eram submetidos os presos do regime, muitos escribas tinham nas amizades e boas relações com agentes da repressão a grande fonte de suas matérias.

É o jornalismo coprófago, que se alimenta da dimensão mais asquerosa do ser humano, aquela capaz de retirar a condição humana de outro ser humano, prática exercida com maestria por torturadores e carrascos serviçais dos milicos.

Alguns destes, muitos, ainda hoje perambulando impunemente pelos centros de poder, mas sempre olhando assustados para trás e para os lados, receosos de serem vítimas de alguma vendetta.

Nos corredores de Brasília, hoje, em pleno 2013, há herdeiros dessa modalidade de pseudojornalismo.

Ontem (1/3), no Jornal de Brasília, mais conhecido como “jornaleco de Brasília”, uma nota do respeitado* Leandro Mazzini atestou a sobrevivência do gênero na sua coluna “Esplanada”.

Sob o título “Na mira” – clichê mais policialesco, impossível! – está dito:

“A Polícia Legislativa das duas Casas do Congresso está de olho num agitador ligado à deputada Erika Kokay (PT-DF). É um conhecido causador de tumultos.”

Jornalismo porta de cadeia sobrevive em Brasília (Foro: Reprodução do Jornal de Brasília, 01/03/2013)

Jornalismo porta de cadeia sobrevive em Brasília (Foro: Reprodução do Jornal de Brasília, 01/03/2013)

O “agitador” e “conhecido causador de tumultos” – o Leandro esqueceu do “subversivo” – se chama Rodrigo Grassi. É assessor da deputada petista desde que ela era deputada distrital.

Mais conhecido como Pilha, o “agitador”, ao contrário de covardes que usam informações repassadas por órgãos policiais para fazer ameaças e pressões de origens obscuras, não tem medo de expressar o que pensa.

Quando a blogueira mercenária Yoani Sanchez passou pela Câmara, Pilha esteve lá e reforçou o coro dos que pediram a permissão de entrada irrestrita de todas as pessoas que estavam à porta do local onde aconteceu o evento com a cubana.

Após a “audiência” com a blogueira, Pilha foi fazer perguntas incômodas ao deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG), tido como o “Pai do Mensalão”. O tucano, pai inquestionável do “AI-5 Digital”, acabou arrancando à força o celular do atrevido entrevistador e chamou a Polícia Legislativa, dizendo que havia sido agredido**.

Foi o bastante para o jornalista Breno Costa, da Folha de São Paulo, transformar em matéria o episódio. O texto de Breno foi quase todo honesto e verdadeiro. Exceto, justamente, pelo “detalhe” que foi o mote principal da matéria: o assessor da deputada Erika Kokay “estava em horário de trabalho”, diz o texto, em sutil tom de denúncia.

Adiante, Breno informa o salário de Pilha. Ninguém precisa ser um Einstein para entender a mensagem: “o sujeito recebe dinheiro público para protestar contra a blogueira cubana em pleno horário de trabalho”.

Sobre o ocorrido “denunciado” pela Folha, a deputada Erika Kokay divulgou nota oficial informando que o servidor “não estava em horário de trabalho” e que ela defendia “a liberdade de expressão, que deve servir para todos, tanto para a blogueira cubana como para qualquer cidadão”.

Em que pese a abordagem matreira, pelo menos o repórter da Folha não foi covarde ao omitir o nome do “alvo” de sua matéria.

Coragem que faltou ao Mazzini, que difamou uma pessoa como “agitador” e “conhecido causador de tumultos” sem citar o seu nome. E ainda fez isso usando o empoeirado jargão e fontes do submundo policial (ou político).

*Respeitado especialmente pelos políticos de Brasília, já que possui um programa de televisão e uma coluna de jornal.

**A Polícia da Câmara – muito menos truculenta e bem mais civilizada do que a do SS (Senado de Sarney) – viu as imagens e constatou que, se houve agressão, não partiu do dono do celular, mas do parlamentar.

PS: Esse texto foi escrito ao sabor de uma boa dose de rum Santiago de Cuba. Saludos!


Responses

  1. So foi claro no final. Esses carcarahs de direita sao a desgraca do pais.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: