Publicado por: Rogério Tomaz Jr. | 23/06/2012

Poesia do Dia (27) – Paraguai contra os ventos reacionários

Elvio Romero (1926-2004), poeta paraguaio aclamado por nomes como Gabriela Mistral e Miguel Angel Astúrias, entre outros, é um dos integrantes da coletânea “Poetas da América de Canto Castelhano”, obra cuja seleção e tradução são devidas ao grande Thiago de Mello.

Romero foi militante comunista na juventude. Combateu na Guerra Civil que arrasou a sociedade paraguaia em 1947 e acabou desencadeando um processo político que levou ao poder o milico Alfredo Stroessner, mandatário do Paraguai entre 1954 e 1989.

O poeta viveu décadas no exílio, na Argentina, mas teve uma produção prolífica e de altíssimo valor cultural.

Segue uma pequena poesia de Romero, de 1955, bastante adequada aos tempos atuais, em que o seu povo luta para garantir a democracia violentada por ventos reacionários.

Água forte

Preso a madeiros em cruz,
um homem quieto
sobre os dois paus de uma cruz
e cordas entre os ossos.

E, abaixo, o vento.
Minha terra acaso atada
como um tambor de couro
sobre os dois paus de uma cruz.

Em frente, o vento.

A pátria inteira no chão
sobre os dois paus de uma cruz.

E, em cima, o vento.

(Do livro El sol bajo las raíces, de 1955)

Elvio Romero, maior poeta paraguaio do século XX


Responses

  1. O golpe no Paraguai deixa a todos nós estarrecidos.

  2. Continuo indignado com a linguagem diplomática do Brasil, esperando prá ver a cor da fumaça… Não entendo tantas reuniões quando outros países, membros do mercosul, iclusive, já se posicionaram.

  3. “Originalmente escrito para outros dois artigos a ver com este.”
    Amanhecer com um artigo de Tarso Genro no Blog do Altamiro Borges e mais o artigo de Mauro Santayana e este, é um chamado, ainda, que, para um soldado solitário como eu, repetindo, solitário, ainda, pois aguardo de minha de tempos remotos, casa, o chamado. Pois morrer pela pátria ou viver sem razão é sentido, mas viver sem razão quando nos traem em pátria, como se pátria traíssse e não traída, aí pátria deixa de ser razão, como o viver.
    Em outros comentários e até artigos que arrisquei, em meu semi-analfabetismo, escrever sobre o mensalão “da tentativa de golpe de estado” no Brasil e que só não aconteceu porque o Supremo Tribunal Federal e principalmente Gilmar Mendes se não me engano ainda procurador Geral da União, ou que fosse já como ministro, juntos, acordaram a tempo e impediram o impeachiment de Lula. Porque até a maioria dos petistas já haviam caído no conto do vigário do mensalão e ameaçavam se rebelar contra o governo.
    Hoje, aLguns petistas, desavisados ou influênciados por uma pequena parcela de petistas bloguistas, principalmente, que conscientemente por razões meramente pessoais, alteram os rumos desta história por outras intrigas com Gilmar Mendes. Ficam indignados e levam outros a tanto quando deixo comentário dizendo que o PT lhe deve gratidão eterna, como à todo o Supremo Tribunal Federal. E deveria agradeço-los com honrarias em nome da pátria, porque sustentaram corajosamente a democracia. Pois a rasteira havia sido dada e sorrateiramente rápida, e caso alguém não ficasse de pé logo como o STF e Gilmar Mendes, a derrubada do governo era certeira, estaria concretizada.
    Tarso Genro conta-nos duas histórias em uma, Fernando Lugo e Lula vem de um mesmo movimento. Mexer com uma elite intocável desde séculos pela primeira vez. Não se venderam e não se venderão, por isso esteve, no caso do Lula, e estará no caso de Fernando Lugo, em risco de sofrer um golpe de estado o tempo todo.
    Está na hora de aproveitar o ensejo, porque estamos em plena pressão para votar o mensalão o mais breve possível, apressadamente, para criar mais um pandemônio político no país e diminuir a força do Lula. Também, aos petistas como Tarso Genro no mesmo ensejo, humildemente deve dar início ao processo de reconhecimento e agradecimento oficializado ao STF e a Gilmar Mendes pelo impedimento do golpe de estado no Brasil com o mensalão, e o fortalecimento e garantida da democracia.
    Também não cabe a você, Tarso Genro, político de sua envergadura, se manter ocupado só com os problemas do Rio Grande do Sul. Esta aqui um exemplo prático do que falo, a falta de mais, para somar, manifestações coerentes e verídicas sobre temas como o golpe de estado no Paraguay, por um político de sua consciência e importância.
    José da Mota.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: