Publicado por: Rogério Tomaz Jr. | 20/03/2012

Poesia do Dia (21) – poema xxi de Juan Gelman

Para começar o dia com Juan Gelman, peguei um poema do livro “Amor que serena, termina?”, seleção escolhida e traduzida pelo Eric Nepomuceno.

O que segue abaixo foi originalmente escrito em sefardi, a antiga língua falada pelos judeus na Península Ibérica – e depois na costa do norte da África – na Idade Média.

Durante seu exílio na Espanha, o poeta argentino pesquisou o idioma e acabou produzindo muita coisa nele, inclusive em versos nos quais estabeleceu um “diálogo” com as poesias antigas que ele encontrou em suas buscas.

poema xxi

sintí tu boz in mi vintana/
mi vintana no da a tu boz/
apenas si da al mundo/
¿cómu viniera tu boz?/

un páxaru nivadu
comi trigu
nil murmurio
dil sol/

poema xxi

ouvi tua voz na minha janela/
minha janela não dá para a tua voz/
mal e mal dá para o mundo/
como veio a tua voz?/

um pássaro nevado
como trigo
no murmúrio
do sol/

PS: Descobri que esse poema foi musicado e gravado pela argentina Dina Rot, que possui vários álbuns gravados (aqui) com músicas tradicionais da Espanha ou poesias em sefardi.

Foto de Quinn Dombrowski (http://www.flickr.com/photos/quinnanya)

Anúncios

Responses

  1. […] poema xxi de Juan Gelman […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: