Publicado por: Rogério Tomaz Jr. | 08/01/2012

Domingo Espetacular mostra genocídio de índios por fazendeiros no MS

A Record exibe hoje à noite, a partir das 20h30, no seu Domingo Espetacular, uma reportagem especial sobre a tragédia dos povos indígenas no Mato Grosso do Sul.

A sanha dos ruralistas locais não tem limites. Apenas em 2010 foram assassinados 34 índios, conforme aponta relatório do Cimi (Conselho Indigenista Missionário), órgão da CNBB (Confederação Nacional dos Bispos do Brasil) que acompanha as questões indígenas.

O povo mais atacado pelos fazendeiros é o guarani kaiowá e a região mais conflituosa está em Dourados, na região sul do estado.

O que acontece em Mato Grosso do Sul é um genocídio silencioso. Acompanho o caso desde 2005 e, na minha opinião, o Brasil já mereceria uma dura condenação nas cortes internacionais de direitos humanos.

Como diz o relatório da violência contra os povos indígenas do Cimi em 2010, “naquela região um boi no pasto tem mais valor que um ser humano. Um pé de soja vale mais que uma criança indígena”.

Nos últimos anos, os ruralistas locais têm usado a tática de ocultar os corpos, para não deixar rastros dos seus crimes.

Pouquíssimas pessoas no Brasil sabem o que os fazendeiros fazem com os índios no Mato Grosso do Sul. Apenas os militantes de direitos humanos e de outras lutas políticas sabem o que ocorre lá.

Quiçá o programa da Record chame a atenção da sociedade e esta passe a cobrar o poder público para que garanta a vida dos índios, que já têm as suas terras reconhecidas, mas, na maioria dos casos, sofrem com as disputas judiciais – nem precisa dizer quem é favorecido, via de regra – que impedem as demarcações e homologações dos seus territórios.

Se os índios resolvessem se armar e revidar a violência que sofrem, seriam chamados de selvagens e não civilizados.

Imagine se um fazendeiro fosse morto por um índio. Manchete em todos os jornais, capa da Veja, editoriais da Folha de São Paulo, do Estadão, d’O Globo, comentário com beicinho do William Waack e do William Bonner, “isto é uma vergonha” do Casoy, pedido de CPI por parte da oposição demotucana. Seria o fim do mundo.

No link abaixo há um pequeno trecho da reportagem que mostra o quão civilizados são os fazendeiros do Mato Grosso do Sul.

http://videos.r7.com/r7/service/video/playervideo.html?idMedia=4f056f37b51af6e7ed95c00c&idCategory=61&embedded=true

Índios do Mato Grosso do Sul: 34 assassinados em 2010. E há quem os chame de não civilizados

PS: A situação dos índios em Mato Grosso do Sul, especialmente dos guarani kaiowá, é provavelmente o caso mais emblemático e grave de violação de direitos humanos no Brasil. Assassinatos e todo tipo de violência, desnutrição infantil, suicídios dos índios, discriminação por parte da sociedade não índia e descaso do poder público, entre outros elementos, compõem o cenário da tragédia. Um artigo do deputado estadual Pedro Kemp (PT) mostra que o desrespeito aos indígenas é sistemático e ocorre em todos os espaços sociais. Crianças indígenas, por exemplo, sofrem preconceito e discriminação nas escolas. Como escreveu Kemp:

No último dia 24 de agosto, três estudantes indígenas da etnia guarani-kaiowá, moradores da aldeia urbana Água Bonita de Campo Grande, foram proibidos pela direção de uma escola da rede municipal de falar sua língua materna, o guarani, nas dependências da unidade escolar. Segundo relataram, tiveram que assinar um livro-ata assumindo formalmente o compromisso, mesmo sem entender no momento o que exatamente o texto dizia. (Pedro Kemp, “O direito de ser índio”)

Leia o artigo completo clicando no link abaixo.

O direito de ser índio

http://pedrokemp.com.br/debates/o-direito-de-ser-indio/

Anúncios

Responses

  1. Excelente texto mais uma vez. Chega de impunidade!

  2. Ninguém comenta que isso aí, até agora sem provas pode, ou não, ser um factoide da dupla bispo Macedo e chefe quadrilheiro Zé Dirceu???? Ninguém lembra que com 1/10 da verba governamental destinada à assistência infantil a Srª. Arns eliminou a zero a mortandade infantil enquanto a quadrilha petralha se alimenta até hoje dessas verbas?!?!??!?!?

    • Prezado desinformado, a Pastoral da Criança (com a Zilda Arns à frente) faz um trabalho muito bom, mas não atuam com comunidades indígenas. Informe-se antes de destilar seu preconceito e não cair no ridículo de falar mentiras e besteiras.

      • Ai sim Rogério. Apoiado

  3. É um desinformado mesmo! Além de destilar ódio e preconceito, confunde alhos com bugalhos.

  4. Parabéns pela matéria, Nós do Mato Grosso do Sul que lutamos e divulgamos essas milicías nas mídias socias já enviamos nosso pedido de socorro no Fale com Dilma, pois os atuais meios de comunicação não dão destaques para os verdadeiro Brasileiro os Indios Guaray, preferem dar destaques aos animais ( cão) do que os seres humanos. O proprio representante da casa civil foi testemunha de uma intimação pelos maus ruralistas em visita ao MS.

  5. e muito legal


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: