Publicado por: Rogério Tomaz Jr. | 04/12/2011

Sócrates deixa o jogo terreno

Foi nesta madrugada. No silêncio da noite. A crônica doença que tirou do jogo terreno o nosso Doutor Sócrates foi irônica no seu desfecho.

O Magrão partiu sem despertar muita atenção. O triste anúncio foi dado quando a maioria ainda estava nos braços de Morfeu, o deus grego dos sonhos.

Vai deixar saudades! (Foto: João Quesado)

O nosso Sócrates, no campo, era discreto. Comemorava quieto seus gols, numa espécie de antítese da energia que despertava o momento supremo do futebol.

Fora de campo, fazia jus ao nome. Era hábil com as palavras e ideias. Em campo, estava mais para um general, estrategista afiado na elaboração do plano de jogo e frio na sua execução.

Assim como no esporte, jamais se escondia na vida e expressava muito nitidamente suas posições. Na política, jogava na esquerda, enquanto nos gramados militava mais pela meia direita avançada.

Certamente deixará muitas saudades entre quem teve o prazer de conhecê-lo e desfrutar da sua companhia. E deixará também um vazio entre os que não puderam realizar esse desejo, entre os quais me incluo.

Segue a vida. Segue o jogo. E o Doutor Sócrates entra para a nossa galeria de estrelas que tanto brilharam na Terra e agora cintilam em algum lugar no universo.

*****

Na madrugada do dia em que o Corinthians pode conquistar o seu quinto título do Campeonato Brasileiro, a torcida do Timão fica de luto.

O Doutor sai de campo e entra para a galeria dos imortais.

Nenhuma alegria hoje, após a última rodada do Brasileirão 2011, superará a tristeza pela passagem do Doutor Sócrates.

Não faz muito tempo, cheguei a pedir – por e-mail – uma entrevista a ele, para o meu livro sobre o Eduardo Galeano. Não obtive resposta, mas gente que o conhecia me disse que o Doutor não era muito organizado com as correspondências eletrônicas. Iria tentar novo contato mais à frente. Agora é tarde.

O escritor uruguaio, mestre no futebol jogado com as mãos, com a escrita, não falou muito sobre o Magrão. No clássico “Futebol ao sol e à sombra”, três breves citações. Uma no texto que reproduzo abaixo, que o lista entre alguns dos maiores artistas do esporte mais popular do planeta.

Chifre em cabeça de cavalo

Alain Giresse formou, junto com Platini, Tigana e Genghini, o mais espetacular meio de campo do Mundial de 82 e de toda a história do futebol francês. Na tela da televisão, Giresse era tão pequenino que sempre parecia
estar longe.

O húngaro Puskas era atarracado e gordo, como o alemão Seeler. O holandês Cruyff e o italiano Gianni Rivera eram jogadores de físico frágil. Pelé tinha pé chato, como Nestor Rossi, o sólido meio de campo argentino. O brasileiro Rivelino tinha o pior rendimento no teste de Cooper, mas no campo não havia quem o capturasse, e seu compatriota Sócrates tinha corpo de garça, altas pernas magérrimas e pés pequenos que se cansavam fácil, mas era um mestre do calcanhar, e se dava ao luxo de cobrar pênaltis com ele.

Enganam-se redondamente os que acreditam que as medidas físicas e os índices de velocidade e de força determinam a eficácia de um jogador de futebol, como se enganam redondamente os que crêem que os testes de inteligência têm algo a ver com o talento ou que existe alguma relação entre o tamanho do pênis e o prazer sexual. Os bons jogadores de futebol podem não ser titãs talhados por Michelangelo. No futebol, a habilidade é mais determinante que as condições atléticas, e em muitos casos a habilidade consiste na arte de transformar as limitações em virtudes.

O colombiano Carlos Valderrama tem os pés tortos, e essa arcada serve para ele esconder melhor a bola. O mesmo acontecia com as pernas tortas de Garrincha. Onde está a bola? Na orelha? Dentro da chuteira? Para onde foi? O uruguaio Cococho Álvarez, que andava mancando, tinha um pé apontando para o outro, e foi um dos poucos beques que pode controlar Pelé sem atingi-lo.

Foram dois baixinhos meio gordinhos, Romário e Maradona, as estrelas do Mundial de 94. E têm essa mesma estatura dois atacantes uruguaios que triunfaram na Itália nos últimos anos, Ruben Sosa e Carlos Aguilera.

Graças a seu minúsculo tamanho, o brasileiro Leônidas, o inglês Kevin Keegan, o irlandês George Best e o dinamarquês Allan Simonsen, chamado de Pulga, conseguiam escorregar através de defesas impenetráveis e se safavam facilmente dos zagueiros grandões, que tentavam tudo mas não conseguiam detêlos.

Também foi pequeno, mas blindado, Félix Loustau, o ponta esquerda da
Máquina do River Plate, e era chamado de Ventilador, porque era ele que dava um respiro ao resto do time fazendo-se perseguir pelos adversários. Os homens de Liliput podem mudar de ritmo e acelerar bruscamente, sem que se derrube o alto edifício do corpo.

[Eduardo Galeano, “Futebol ao sol e à sombra”]

*****

Anúncios

Responses

  1. Boa Viagem !!!

  2. Bela homenagem, amigo Rogério!

  3. Nós que amamos este esporte não podemos ficar indiferentes a esta data. E concordo continuo, Mano véio: “Nenhuma alegria hoje, após a última rodada do Brasileirão 2011, superará a tristeza pela passagem do Doutor Sócrates.”

  4. Justa homenagem Junior, que descanse em paz o homem sem fisico de atleta mas com genialidade de poucos com a bola nos pés.
    Descanse em paz Doutor.

  5. Belíssimo texto, Rogério.

  6. Com ctz vai deixar muitas saudades.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: