Publicado por: Rogério Tomaz Jr. | 15/04/2011

Poesia do Dia (11) – Mario Benedetti

Foi com tristeza enorme que recebi a notícia, em maio de 2009, de que não mais poderia entrevistar — pretexto para conhecer pessoalmente? — o grande Mario Benedetti, poeta uruguaio, poeta do mundo, que nos deixava e deixava o mundo mais triste.

Hoje, por acaso, bati o olho nessa poesia dele, que divido com você que resollveu vir por aqui.

Sou meu hóspede

Sou meu hóspede noturno
em doses mínimas
e uso a noite
para despojar-me
da modéstia
e outras vaidades

procuro ser tratado
sem os prejuízos
das boas-vindas
e com as cortesias
do silêncio

não coleciono padeceres
nem os sarcasmos
que deixam marca

sou tão-só
meu hóspede
e trago uma pomba
que não é sinal de paz
mas sim pomba

como hóspede
estritamente meu
no quadro-negro da noite
traço uma linha
branca

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: