Publicado por: Rogério Tomaz Jr. | 18/03/2011

Neste sábado: maior lua cheia dos últimos vinte anos

Para quem a admira, neste sábado (19) a lua cheia será a maior das últimas duas décadas.

O fenômeno ocorre porque chega o pico máximo do ciclo chamado “Perigeu Lunar” e a lua estará 14% maior e 30% mais brilhante do que o normal.

Uma noite dessas em Brasília (Foto: Rogério Tomaz Jr.)

Pena que boa parte do Brasil não poderá testemunhar plenamente o evento devido ao tempo nublado que vai prevalecer no final de semana.

De qualquer modo, fiquemos tod@s atent@s e com as câmeras engatilhadas.

Vale lembrar que 19 de março também é Dia de São José, padroeiro dos pescadores e também do Ceará, meu querido estado natal.

No meu Flickr há alguns registros — como a imagem acima — que acumulei de uma das fontes de inspiração universais. Espero aumentar a coleção neste fim de semana:

http://www.flickr.com/photos/rogeriotomazjr/sets/72157610930854603

Abaixo seguem mais informações sobre o fenômeno, retiradas do http://shakyamuni.net.br:

O MUNDO VERÁ A MAIOR LUA CHEIA DOS ÚLTIMOS 20 ANOS – “SUPERMOONS”

O mundo está prestes a presenciar a aparição da maior lua cheia das duas últimas décadas. Na semana que vem este satélite natural vai chegar ao ponto mais próximo da Terra.

No dia 19 de março, a lua cheia vai aparecer mais exuberante do que o usual na noite celeste quando ela atinge o ponto máximo de um ciclo, conhecido como ‘Perigeu Lunar’.

É esperado um espetáculo visual quando a lua se aproximará da Terra a uma distância de 221,567 milhas da órbita – chegará mais próxima do nosso planeta desde 1992.

A lua cheia poderá aparecer no céu 14% maior e 30% mais luminosa, especialmente quando nascer no horizonte do oriente ao pôr-do-sol ou em condições atmosféricas bem favoráveis.

Este fenômeno é reportado como o mais relevante assunto sobre ‘supermoons’ que esta conectado com o as extremas manifestações do clima –  como os terremotos, vulcões e tsunamis. A última vez que a lua passou tão próxima da Terra foi no dia 10 de janeiro de 2005, nos dias próximos dos terremotos na Indonésia que registrou 9.0 na escala Richter.

O furacão Katrina em 2005 também foi associado com a lua cheia incomum.

Previsões de ‘supermoons’ aconteceram em 1955, 1974 e 1992 – cada um destes anos tivemos a experiência de fortes manifestações climáticas.

Soma-se aqui um belo comentário e correções do texto acima, por quem entende do assunto:

“Posso fazer um pequeno adendo? Vulcões e terremotos são fenômenos geológicos e não climáticos (atmosféricos). E tsunami não é um fenômeno em si: ele é “apenas” uma consequência de um tremor que acontece no assoalho oceânico. Furacão sim é um fenômeno atmosférico relacionado ao clima. Mas está relacionado ao aquecimento global, já que a energia que existe em um furacão é fornecida pelo calor acumulado na atmosfera. Assim, quanto maior a quantidade de calor, maior a força e consequente capacidade de destruição de um furacão.
A Lua, linda é maravilhosa no céu, não tem culpa nenhuma das lambanças q o ser humano faz nesse planeta e nem com os fenômenos geológicos.

Outra coisa: podem ficar atentos que outras manifestações geológicas ocorrerão no planeta, em qualquer lugar, logo: qdo uma placa tectônica se movimenta, ocorre uma acomodação nas outras em volta. Como tudo está ligado, podem esperar mais tremores e atividade vulcânica para logo mais. E pode ser em qualquer lugar do mundo onde exista um encontro de placas…” Suzana

Anúncios

Responses

  1. Foto linda da Lua!!!!!!!!!

  2. foi presente de aniversário pra mim e pra Gi =D


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: